Nudez


Gosto de me despir, em palavras e em roupas, de trazer a quem me lê e vê, a forma como observo o mundo e gosto de pele, de corpos nus em beleza e em verdade! Desta fotografia passaram 10 anos e nela eu estava a pouco tempo de ser mãe e dar à luz a minha primeira filha. Que bênção ser mãe com 27 aninhos, com o peito cheio de certezas de um amor para sempre: o meu amor por ela e o respeito e a gratidão pelo pai que ela mesma escolheu!

Fui tão feliz neste lugar! Agradeço à vida por tamanha felicidade vivida nestes anos!
Agradeço tanto também ao meu corpo por ter viajado até aqui, ter-me permitido ter dois partos maravilhosos e ainda estar pronto para mais, acho que ainda consigo dar à luz e amamentar outro bebé!
Mas com esta fotografia tirada nessa altura, quero dizer que, passado todos estes anos eu ainda lamento que, em plena "nova era" ainda existam mentes que ficam ofendidas ou chocadas com a beleza da pele despida!
A maldade nunca está no corpo de quem se desnuda na praia, na cascata, na net ou onde quer que seja, a maldade está nos olhos de quem a vê e de quem um corpo despido cobiça por razões mais destruturantes.
Se sentem coisas "estranhas" ao ver uma imagem de um corpo despido pois reflitam onde permearam a vossa mente com a ideia de que ele é objeto, pecado ou outra m*rda parecida.
Foi na infância, foi na adolescência, foi na idade adulta?! Quem foram as pessoas que vos apontaram dedos por estarem despidos, nus? Consegues perdoá-las e entender tudo o que passaram para te transmitir essa mensagem?
Queres perpetuar esse sentimento para ti e para os teus filhos/as?! Consegues ver-te nu/a, sozinha/o em frente a um espelho, em frente aos teus filhos, ao teu companheiro/a?
Começa por aí, começa por ver toda a beleza da tua nudez, não tens de te expor, obviamente! Observa, toca, abraça, porque ninguém nos ensinou em crianças como fazê-lo, o amor ao nosso próprio corpo!
Este dia ia chegar, vivo numa pequena aldeia e tenho "fetiches" por abrir cabeças mais fechadas...Daquelas que não podem ver pele nua, com cor, casais de iguais, lábios vermelhos, corpos a balançar, rabos e seios bonitos, barrigas e mulheres que mostram o seu corpo na net para que chegue a mais mulheres que é MUITO SÉRIA esta coisa de podermo-nos desnudar para dar à luz ou para revelar também que o corpo é muito, mas muito mais do que um simples objeto de prazer!
O nosso corpo é sagrado e nunca, nunca deveríamos sentir, olhar, gozar, desprezar o corpo de quem quer que seja, nu ou vestido! São as vestes da alma e há quem precise de pouca roupa e não tenha nenhuma maldade nem segundas intenções com isso! Sinto que, nos dias que correm, com tanta falta de toque, de abraço, de beijo, ver PELE pode alimentar o AMOR que trazemos dentro, pode NUTRIR os sentidos e despertar-nos para abrirmos MAIS o coração, depois de vestidas tantas máscaras e batas de dor e de sofrimento pelas vidas que não conseguiram salvar, tanto distanciamento ao tocar o outro, tanta desculpa para nos manterem longe e tanto perdão por se aproximarem, tanta frieza em celebrarmo-nos!
Eu sou das que sonha andar nua na rua sem ser vaiada, desejada ou outra p*rra qualquer! Eu e todas/os merecemos RESPEITO por estarmos nus/uas, vestidos/as, meio despidos/as, elegantes ou deselegantes, como entendermos, somos seres HUMANOS e a pele, sendo o maior órgão do nosso corpo, deveria ser tocado por nós mesmas/os e pelos/as outros/as mais vezes, sem medos, sem maldade, sem pudor! A nudez é amor, é beleza antes de tudo o resto e há que cuidar de tudo o resto, com sacralidade, respeito e verdade!
Bem-hajam a todos os corpos, meio despidos, nus ou vestidos!
P. S.: Se te sentes ofendida/o com esta imagem e texto lamento, podes sempre deixar de seguir e deixar de ver e ler o que escrevo! Caso não, pois fica por aí pois esta foi só a primeira inspiração para corpos despidos que apareceu por aqui!
Pensa comigo: esta liberdade ofende o meu ego ou liberta o meu ser, ela empodera-me ou envergonha-me? O que sinto quando a vejo?
Conta-me!

1 comentário: