Já lá vão alguns meses desde que descobrimos que íamos ter mais um bebé na nossa família, mas não queria deixar de partilhar aqui a nossa alegria pois sei que acompanham com carinho o nosso blog. Para mim, os três primeiros meses são muito importantes e devem ser resguardados pois trata-se de um momento muito importante para a formação do bebé e por isso quis guardar bem este segredo e garantir que estava tudo bem. Agora, passados 5 meses de gravidez, a barriga cresce a olhos vistos e este bebé não para dentro dela. Desejava muito ser mãe novamente, mas não queria nada programado meticulosamente, preferia que a vida me surpreendesse com a altura certa, pois penso em como estas coisas não devem ser controladas mentalmente. Esperei que o meu corpo se transformasse e aconteceu, a M. vai ter um mano. Desta vez decidimos saber o sexo do bebé pois não queriamos deixar a M. ansiosa e se, ao ínicio ela só pedia uma mana, agora já só fala do mano. Ainda não escolhemos o nome pois ainda temos muito tempo mas passamos a vida a falar com ele e a adorar a barriga. A M. está muito feliz e guarda tudo para o mano. Eu sinto uma alegria imensa por sentir dentro de mim um novo ser a crescer, como se estivesse grávida pela primeira vez, com o mesmo entusiasmo e alegria. Nunca nada me deixou tão realizada como ser mãe e poder sê-lo outra vez é algo transformador e empoderador na minha vida. Se há coisa que sempre tive a certeza que queria, era ser mãe. Os nossos dias por agora vão sendo calmos, começámos a preparar o ninho, a recuperar as roupas da M. que possam servir para o mano e deixar a avó tricotar uns casaquinhos...;) Eu mal posso esperar por conhecer este novo bebé que cresce dentro de mim. 












Enquanto a nossa escola não abre, vamos reunindo com outras mães, partilhando experiências de maternidade e reunindo forças para acreditar que podemos construir algo melhor no mundo destas crianças. Por vezes sentimo-nos sozinhas nesta batalha de educar, sentimos que o mundo está ao contrário, mas de repente aparecem outras mães com as mesmas dúvidas, desejos e vontades. No alentejo as opções para educar são poucas e sempre as mesmas, é importante criar alternativas, é importante criar redes de apoio e partilha para que, juntos, consigamos criar novas realidades. O sítio onde vivemos é pequeno, o país onde vivemos também e por isso acredito que as mudanças demorem mais tempo, mas também acredito que seja mais fácil chegar a mais pessoas, devagar, muito devagar e com sentido de orientação, porque construir uma escola não é como abrir um negócio, é necessário abrir o coração, deixar de lado os interesses, o controlo, o poder e avançar com o pés bem assentes no chão, deixando as pessoas certas se encontrarem e criarem algo de verdadeiramente mágico. As fotos são da amiga Ana Rodrigues que também esteve presente neste encontro. Podem saber mais sobre o nosso projeto em Jardim Alfazema - Espaço de Educação Livre.






Gosto de casas antigas. E gosto ainda mais de quem pega nelas e as recupera com esta quantidade de simplicidade e de amor. Este projeto é algo que me diz muito porque também eu sonho em recuperar o nosso monte sem recurso à banca e a uma vida de prestações. Gosto das paredes brancas e toscas a contrastar com o chão colorido bem a lembrar o do monte dos meus avós, gosto das portas e das loiças que ganharam vida nesta casa. Gosto da simplicidade dos objetos que foram entrando ali. Gosto das árvores que rodeiam a casa, e ia adorar conhecer as pessoas que vivem nela. Todas estas fotos são do blog Dreaming