Não temos televisão em casa #1


Ontem fui às compras ao supermercado e fiquei a saber que sou uma pessoa meio estranha, meio, porque ainda vou às compras ao supermercado, quando deixar de lá ir, passo a ser toda estranha, mas acho que isso não vai acontecer para já. Há coisas que já não fazemos mas que achamos que é normal. Mas o pior de se ser meio estranho é viver e partilhar a vida com outra pessoa que é estranha no seu todo. Bem, o que eu quero dizer com ser-se estranho é uma enorme lista de coisas que não fazemos e outras que ainda fazemos, mas de forma Estranha! Noutro dia em conversa com uma amiga, dizia-lhe que não tinhamos televisão em casa e ela perguntou: como consegues? e eu penso: bom e como é que se vive com uma televisão em casa? porque sinceramente eu já não sei como é... já não me lembro! Verdade é que, adoro ver televisão na casa dos "outros", que têm todos aqueles canais que eu nunca tive na vida, mas na casa dos "outros" eu não tenho nada para fazer e posso sentar-me alegremente a fazer zapping. As séries, os filmes, as novelas, os talk-show's, os telejornais, etc, devem ser todos muito interessantes, mas ainda não deixei de estar actualizada por não os ver (até porque há uma coisa normal que ainda faço, que é ter um iphone e acesso fácil à internet). Posso ser menos culta por não ver aquelas séries de culto, ou os últimos filmes do cinema? Posso, mas isso não faz de mim uma pessoa melhor, acho que, por exemplo, a prática de yoga faz de mim uma pessoa bem melhor. Quanto ao cinema, a última vez que vi lá um filme foi quando vi "os sete pecados rurais", eu nunca na vida ia ver comédias ao cinema, mas desta vez deixei que fosse ele a escolher o filme, porque da última vez que eu escolhi o filme, saímos de lá, os dois, com uma enorme sensação de mau estar. O filme chamava-se "os homens que não amavam as mulheres" e apesar de ser muito bem feito, causou em mim sensações das quais ando a aprender a fugir, por isso não faz sentido ir à procura delas no cinema, mas talvez isto seja dificil de entender para muitas pessoas e talvez seja fácil de entender para outras... 
A útlima vez que vi um filme na televisão, em casa dos "outros", foi no dia de ano novo e, acreditem, foi um dos melhores filmes que já vi, "Os jogos da fome", filme que tem uma mensagem muito forte por trás. Há ainda outro filme que posso recomendar a vocês, que também são estranhos, chama-se "La Belle Verte" e este sim é um filme que posso ver a vida inteira que nunca me vou sentir mal. 

Bom, a conversa já vai longa e eu ainda não contei metade das nossas estranhezas. Por isso, este é o primeiro post da série "não temos televisão em casa". 

8 comentários:

  1. :)

    Eu também não tenho e isso causa estranheza nos outros!
    Para a troca, deixo Lle Concert", na versão original, em francês e russo. Maravilhoso!
    http://youtu.be/h0UUrar3uGg

    ResponderEliminar
  2. Ao ler este texto, sinto que me estou a ler daqui a uns anos. Televisão também é daquelas coisas que não quero que faça parte do meu dia-a-dia. :) Parabéns!! Uma verdadeira inspiração.

    ResponderEliminar
  3. Vim pela mão de Viver todos os dias e antes disso da Muda de Página.
    Não foi o facto de Tv e supermercado não figurarem no dicionário de todos os dias...Nem foram os filmes, foi esta pequena frase que me encontrou na altura em que a procurava."causou em mim sensações das quais ando a aprender a fugir".
    Obrigada pelo momento de reflexão. Acho que 'vim para ficar'.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lúcia, pode ficar e fazer desta a sua mercearia, fique o tempo que quiser. E obrigada por partilhar comigo essa vontade.

      Eliminar
  4. Mas são precisamente essas estranhezas que fazem de nós, seres humanos, seres únicos e interessantes. Se fossemos todos iguais que graça tinha? Admiro bastante formas de pensar e estilos de vida que se diferenciam da maioria porque existem tantas formas de viver quanto o número pessoas e isso é fantástico. Eu tenho televisão, mas vejo pouca confesso, e acho mesmo que para se estar informado há formas muito mais eficazes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rita, quando procuramos algo mais, as estranhezas a este mundo começam a ser muitas e a fazer de nós seres mais conscientes e verdadeiros com nós próprios. :)

      Eliminar