Carta de amor próprio

"Às vezes procuramos respostas, soluções.

Às vezes nem sempre elas estão lá, no sítio que nós queremos.

Hoje, fui para casa, tentei falar comigo. Mais uma vez em vão. Sinto-me distante, sinto-me perto, quero-me perto!

Não comecei esta carta como se começa uma carta normal, porque também o que sinto por mim não é normal, é platónico. É amor! É algo que jamais pensei existir desta forma: a mais bela!

Vim para casa, para junto dos meus pais, mas só deus sabe o quanto eu queria só ter olhado para mim, só por hoje, nem que fosse a última vez, como da primeira vez.

Subi o terraço como por instinto à procura de alguma paz. Olhei as estrelas, ouvi os sons da noite: as vozes ao longe, o cão, o silêncio, a escuridão e ouvi-me a mim! Senti o quanto estou feliz, o quanto posso ser feliz e escutei o céu. A resposta foi assim: - tenho de me dizer tanta coisa… E se nunca o conseguir fazer? Vou escrever, vou escrever-me uma carta!

Desci as escadas com firmeza. Imaginei o meu olhar e sei que vale a pena fazer isto e muito mais por mim. Já corro no meu sangue, já faço parte de mim e nem dou por isso.

Os meus fins de tarde fazem-me parar, pensar em silêncio e escutar o que o meu coração me diz… E como eu chamo por mim ao acordar: ...! ..! ...! Repito baixinho… adoro chamar por mim, mesmo na minha ausência.

Sei que foi a melhor opção a que tomei e agradeço-me por ter tido coragem para a tomar. Sem ela eu não saberia o que sei hoje. Não saberia o quanto me quero e o quanto me respeito. Seco-me a sede e mato-me a fome. Não preciso de mais nada. Só me quero do meu lado. Para sempre!

Adormeci quando estava perto e acordei quando não estava: não foi por acaso! Eu precisava de um tempo só para mim. E agora, após um sono profundo, eu quero fazer dos meus dias como se dos últimos se tratassem. Agora sei que sou o meu tesouro, a minha rainha e que está escrito no céu o meu destino.

Conheço-me tanto e tão pouco, mas sei que confio em mim e sei que, independentemente do que outros julguem, eu sei o quanto transmito a verdade. E essa, só eu sei, porque a procuro incessantemente, não preciso que outros me digam.

Vou ficar amarrada a mim, vou guarda-me para mim como nunca guardei ninguém. Vou amar-me sem sequer ter de me dizer.

Vou seguir o meu caminho … porque é isso que escuto do céu.

Amo-me."

17 de Julho de 2009

1 comentário:

  1. é bonito de ser ler e é mais bonito quando se senti o que se escreve.
    Love U

    ResponderEliminar